Alunos da UMinho vencem Prémio Fernando de Sousa
Terça-feira , Julho 24 2018 Periodicidade Diária nº 1791
Principal / Educação / Alunos da UMinho vencem Prémio Fernando de Sousa

Alunos da UMinho vencem Prémio Fernando de Sousa

Três alunos de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho venceram hoje a segunda edição do Prémio Fernando de Sousa – categoria Estudante, no NewsMuseum, em Sintra. O comissário europeu da Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, distinguiu Eduardo Miranda, Hélio Carvalho e João Pedro Quesado pela reportagem ‘Luz ao Fundo da Europa’, sobre uma família refugiada a viver em Portugal, publicada no jornal académico ComUM Online.

João Pedro Quesado, coautor da reportagem e diretor da publicação, sentiu “um orgulho enorme” pelo prémio, que o ComUM recebe pela segunda vez consecutiva. “Enquanto aspirantes a jornalistas, é um privilégio sermos reconhecidos por algo que estudamos e que, profissionalmente, ansiamos fazer. A história da família síria é marcante e representativa de muitas que passaram pelas mesmas dificuldades. Gostávamos que ela chegasse às instituições europeias para que não nos esqueçamos deste flagelo humanitário e temos a certeza que Fernando Sousa [o saudoso jornalista que dá nome ao prémio] quereria o mesmo”, referiu. O prémio é promovido pela Representação da Comissão Europeia em Portugal, visa reconhecer trabalhos informativos de excelência em assuntos europeus e dá direito a uma viagem de InterRail pela Europa, no valor de 3.000 euros.

O ComUM é um órgão independente realizado por alunos da licenciatura e do mestrado em Ciências da Comunicação da UMinho, sendo considerado um exemplo no panorama português na qualidade do jornalismo académico e no papel que este pode ter na sociedade. Em 2017 venceu a primeira edição do Prémio Fernando de Sousa, pela reportagem ‘O “bicho-papão” não mora aqui’, de Pedro Costa, Tiago Ramalho, Pedro Esteves e Paulo Costa, sobre os processos de integração nos bairros sociais de Famalicão, bem como o prémio ‘Ciberjornalismo Académico’ do Observatório do Ciberjornalismo, pela reportagem ’26 Km² de silêncio entre Portugal e Espanha’ de Paulo Costa e Pedro Esteves, sobre o quase desconhecido Couto Misto. Venceu também o prémio ‘Ciberjornalismo Académico 2015’, pela reportagem ‘Por onde já não navegamos’, de Rui Barros e Ricardo Castro, sobre o fim de vida dos Estaleiros de Viana do Castelo.

Acerca Braga TV